Publicado em 24 de Janeiro de 2018

Sisu: saiba como usar sua nota corretamente

Professores prepararam dicas para os candidatos que disputarão vagas em universidades públicas

Elza Fiúza/Agência Brasil

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu), ferramenta através da qual os estudantes que fizeram as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem concorrer a vagas em universidades públicas e institutos federais de todo o país, é muito esperado por milhões de estudantes que almejam uma vaga no ensino superior público. Há a possibilidade de averiguar as notas de corte e escolher entre várias universidades e cursos durante o período de abertura do sistema, ao mesmo tempo em que dá uma liberdade de escolha maior aos estudantes que não precisam fazer várias provas de vestibular.

LeiaJá ouviu professores de cursos pré-Enem para dar dicas e orientações aos feras que farão suas inscrições desta terça-feira (23) até a próxima sexta-feira (26) para concorrer às 239.601 vagas ofertadas em 130 instituições. As inscrições são feitas pela internet

“A escolha precisa ser real”

Um dos primeiros pontos a se ter em mente, de acordo com o professor de geografia João Correia, é que os estudantes não devem concorrer com sua nota a cursos e instituições nas quais não deseja realmente estudar, pois a chance de não realizar a matrícula é grande. Para o professor, essa é uma má escolha pois “o Sisu não é um jogo e muitas pessoas estão depositando anos de estudo nisso, a escolha precisa ser real". "Já vi alunos aqui de Pernambuco que botam a nota para instituições no Acre e não se inscrevem, retardando a inscrição de quem quer e anulando o sonho de alguém”, conta o professor. 

O professor de física Nilson Lourenço também destaca que, quando o estudante chega a fazer a matrícula em um curso ou instituição que não era de fato o seu desejo, as vagas de alunos que desistem da graduação são perdidas. Ele explica que, “às vezes para satisfazer a família ou o ego, o aluno escolhe uma universidade bem distante do seu estado, entra no curso e depois abandona, essa vaga fica perdida e isso acaba com o sonho de muitos alunos”.

O professor João Correia destaca a importância de ter calma para avaliar bem os anseios profissionais, os desafios envolvidos e o perfil do curso desejado em cada instituição antes de escolher a universidade desejada. “O Sisu exige muita serenidade do aluno e a família também é muito importante na tomada de qualquer decisão nesse momento e o aluno jamais deve se precipitar nessa escolha porque o caminho traçado na universidade deve corresponder ao que ele vislumbra para o futuro”, complementa o docente. 

João explica que além de escolher o curso com base no desejo que o estudante já nutria para o seu futuro, é importante observar outros pontos. Para ele, o aluno e a família devem avaliar as condições financeiras em caso de universidades em uma cidade ou estado diferente de onde o estudante vive. Ainda sobre a distância, o professor destaca que mais do que questões ligadas ao custo, também é necessário entender que estar longe envolve outras dificuldades. Para ele, “o estudante tem que ver se aguenta viver longe da família e dos amigos, pois tudo isso é difícil e exige sacrifícios”.

Para o professor Nilson Lourenço, a escolha tem que ser cuidadosa e considerar diversos fatores como, por exemplo, a distância e o reconhecimento da qualidade do curso. “Ir para qualquer universidade é ruim, cada estudante tem que levar em consideração não só a qualidade do curso na universidade que está avaliando, mas também a distância de casa”. 

E a família? 

Muitas das inseguranças que levam os alunos a cometer erros têm a ver com cobranças e muitas vezes a família tem participação na criação desse nervosismo. Para o professor João Correia, a hora de escolher ao que concorrer no Sisu não é o momento para que os parentes pressionem o estudante, mas sim que lhe deem o apoio necessário para tomar uma decisão consciente. 

“Às vezes a família quer interferir até na escolha do curso do aluno ou pressiona para que seja aprovado logo. Isso é perigoso, o aluno deve avaliar com carinho todas as possibilidades pois a escolha do curso universitário é uma das mais importantes da vida do estudante”, reforça o professor.

Nota, pesos e pontos de corte

Outro fator importante é, claro, avaliar a sua nota para entender quais são as opções possíveis diante da concorrência e dos pesos que cada instituição de ensino atribui para cada prova do Exame Nacional do Ensino Médio. O professor de física Nilson Lourenço explica que o estudante, ao ver sua nota e buscar o seu curso nas universidades disponíveis, deve avaliar alguns pontos para entender as chances. "O estudante tem que ter calma no Sisu, é importante observar o primeiro dia do ponto de corte nas universidades que ele deseja para ver se a nota é ou não competitiva ali”, orienta.

Já o professor João Correia explica que é importante observar, no resultado individual do Enem, quais foram as melhores notas que o estudante obteve e quais universidades, dentre as que ele considera como opções, podem valorizar mais as suas maiores notas. "O estudante deve colocar a instituição e o curso mais desejado na primeira opção, mesmo que esteja um pouco abaixo da nota de corte, pois não poderá concorrer à lista de espera da segunda opção, mas pode ser classificado nela até se passar na primeira”, finaliza o educador.