Publicado em 19 de Janeiro de 2018

Candidatura de Ana Arraes pela oposição pode ter efeito devastador na Frente Popular

Ninguém pode duvidar o que uma mãe pode fazer por um filho.

Ana Arraes

Eleita pela primeira vez deputada federal no ano de 2006 com mais de 179 mil votos e reeleita em 2010 com apoio de mais de 387 mil eleitores, figurando nesta última eleição como a deputada federal mais votada no estado, Ana Arraes deixou a política no ano 2011 para assumir o posto de ministra do Tribunal de Contas da União (TCU) por escolha do Congresso Nacional.

Filha do ex-governador Miguel Arraes e mãe do ex-governador Eduardo Campos, Ana carrega consigo um simbolismo político muito forte, o que obrigatoriamente a coloca no meio das discussões políticas. Desta vez, ela é lembrada para concorrer a uma das vagas ao Senado Federal pela chapa da Oposição.

Embora haja quem duvide da possibilidade de Ana Arraes deixar o TCU para se envolver na política, já que atualmente ela tem 70 anos e poderá permanecer no posto por mais cinco anos até a aposentadoria compulsória, há também aqueles que afirmam que esta hipótese não poderia ser descartada. Um deles é Antônio Campos, seu filho.

A possibilidade de Ana Arraes disputar uma das vagas ao Senado pelo bloco oposicionista pode ser lida como um acerto de contas entre a ministra e o PSB, uma vez que o seu antigo partido não só é acusado de cruzar os braços para a eleição de seu filho em Olinda, mas também de ajudar Lupércio, então adversário de Antônio Campos na eleição municipal de 2016.

"Ninguém pode duvidar o que uma mãe pode fazer por um filho."

Uma postulação de Ana Arraes pela oposição teria um efeito devastador na Frente Popular, principalmente na formação da chapa do governador Paulo Câmara. Se hoje o governador tem dificuldades para encontrar nomes que se candidatem ao Senado, com Ana Arraes no páreo dificilmente alguma liderança de expressão estaria disposto a ir para o sacrifício em uma disputa contra a mãe de Eduardo Campos, ainda que estejam em disputa duas vagas.

Além disso, Ana Arraes não só neutralizaria o discurso do PSB que tenta tachar o palanque oposicionista de traidores de Eduardo Campos, como também representaria de forma inconteste o resgate do legado do seu filho falecido em um trágico acidente de avião.

Herdeiro – Entusiasta da candidatura da mãe ao Senado, Antônio Campos teria o direito de escolher entre disputar uma vaga na Câmara Federal com chances indiscutíveis de vitória, já que líderes da oposição estariam dispostos a abrir bases para ele, ou poderia figurar na primeira suplência da genitora.

 

fonte:blogpontodevista